Património Mundial

Hoje, dia 16 de abril, fomos à Biblioteca Escolar, como de costume, para ocupar o nosso tempo livre. O trio habitual formado por: Bernas, Rafa e Hugo.
Ao entrarmos na Biblioteca, deparámo-nos com uma exposição chamada “Elvas Património Mundial”.
O Hugo lembrou-se que já tinha visto estes painéis expostos na Biblioteca Municipal de Elvas.
O Rafa contou os painéis e verificou que eram mais de 20. Uma grande exposição sobre a nossa bela cidade que bem merece ser destacada pelas suas fortificações património mundial reconhecido pela UNESCO!

Fomos ver o que queria dizer a sigla UNESCO e o Hugo verificou que corresponde a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.
Da exposição fazem parte vários painéis sobre o Centro Histórico (ao todo são 13) mas há também sobre: Aqueduto da Amoreira (2), Muralhas seiscentistas (2), Muralha Fernandina (1), Forte de Santa Luzia (2), Forte da Graça (2), Igreja de São Domingos (1), Quartéis do casarão (1), Fonte de São José (1) e Obra Coroa (1).
Cada um de nós escolheu e comentou o seu painel preferido. Ora leiam:

imagem5Bernardo – Forte de Santa Luzia
É um dos melhores e mais genuínos exemplos da arte de fortificar europeia, um dos monumentos militares mais significativos deste período. Foi começado a construir logo em 1641 por Martim Afonso de Melo que começa por construir um pequeno reduto sob orientação de Matias de Albuquerque.
No ano no seguinte, sob a nomeação do Rei, reúne-se uma junta em Elvas com os melhores nomes da arquitetura militar.

imagem6Hugo – Aqueduto da Amoreira
Este Aqueduto foi construído entre os anos de 1498 e 1622. Levou mais de cem anos a ser erguido!
Elvas fica localizada no cimo de uma colina e a população abastecia-se em poços que ficavam no interior dos muros, mas sempre com problemas de falta de água. Com as guerras e o aumento da população, a falta de água tornou a situação gravíssima durante a segunda metade do Séc. XV.
Em 1498, os procuradores de Elvas pedem a D. Manuel I que lhes resolva esse problema e foi assim que começou a construir-se pela população, à custa de muito trabalho e sacrifícios e pagamento de impostos como o real d’água.

imagem4Rafa – Os Quartéis do Casarão
Foram construídos pelo engenheiro militar Valleré depois da campanha de 1762 e 1763, com o objetivo de albergar os militares que, até então, ficavam alojados nas casas da população elvense.
Este quartel está dividido em 48 casernas onde viviam cerca de 18 soldados por caserna. Uma cavalariça que albergava á volta de 500 cavalos pertencentes aos soldados foi depois utilizada também como caserna. A cavalariça tinha como pano de fundo a muralha fernandina (acabada de construir no Séc. XIV, durante o reinado de D. Fernando, daí o seu nome).
Foi uma maneira diferente de aprender e de forma voluntária!
Rafael, Hugo, Bernardo, 5º E
In jornal Escolar “Aqueduto”
maio 2013

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s